Filme: À Procura da Felicidade

Resumo

“À procura da felicidade” (The Pursuit of Happyness) é um filme emocionante e sensacional.

Baseado numa história verídica, o filme apresenta a história de um homem que estava enfrentando diversos problemas e conseguiu superá-los. Tudo o que tinha de acontecer de errado com ele, basicamente aconteceu.

O começo do filme mostra a vida de um casal. Eles têm um filho e ambos trabalham para sobreviver. Ele(Chris Gardner) é vendedor, mas infelizmente o casal investiu em um produto (equipamento odontológico – scanners ósseo) que não teve muita saída no mercado, como eles esperavam. Então, ele não conseguia vender os scanners.

Por causa dos problemas financeiros, o casal tem diversas discussões. A mulher resolve deixar o marido. Ele fica com o filho e tem a responsabilidade de sustentar e cuidar do menino. Para piorar a situação, ele perde o carro, não consegue pagar o aluguel. Ele procura um emprego numa empresa muito reconhecida, empresa de investimentos.

Justamente um dia antes da entrevista de emprego, ele é preso por não pagar as multas de trânsito e é obrigado a ficar uma noite na prisão. Como ele estava pintando a casa (o dono da casa deixou ele ficar mais uma semana nesta casa, se ele pintasse), ele ficou uma noite na prisão e todo sujo de tinta. A entrevista de emprego era no outro dia, bem de manhã. Ele saiu da prisão e foi direto para a entrevista de emprego, todo sujo.

Na entrevista, ele é criativo e sincero, usa do bom humor para contar o que houve. Os diretores da empresa aceitam ele como um “estagiário”. A proposta é que ele trabalhasse 6 meses sem receber nada, fazendo um período de estágio e avaliação.  Cris Gargen pensa em desistir de fazer este estágio, afinal, ele precisa de dinheiro para sustentar o filho.

Por fim, ele aceita o desafio, continua vendendo os últimos scanners que ainda lhe restam. Passa algumas noites no metrô com o seu filho, passa um período no abrigo, afinal, ele ficou sem moradia. No final, depois de tanto estudar e trabalhar duro no estágio, ele consegue ser efetivado na empresa, alcança um sonho e de certa forma, encontra a Felicidade. O filme termina expondo que ele monta a própria empresa e se torna um milionário.

Reflexão

O filme  aborda o “sonho americano” de alguém que está lá embaixo e através de muito trabalho ele consegue superar e crescer. É claro que, por se tratar de um filme, alguns detalhes da história real não são apresentados e por ser um filme Hollywoodiano, tem alguns exageros. Mas é um excelente filme.

Através do filme, percebemos que apesar das dificuldades, Chris não desiste de lutar, de cuidar do seu filho, de batalhar para alcançar uma vida melhor. Ao invés de ficar reclamando, murmurando e esperando algo do governo, ele vai a luta e alcança um sonho.

Eu diria que muitas pessoas se acomodam e vivem sempre na mesma. O filme vem despertar a importância do trabalho duro, da esperança, da disciplina, de manter os valores mesmo diante das dificuldades. Eu creio que muitas pessoas alcançaram uma vida melhor, devido a sua criatividade, perservarança, trabalho duro, honestidade e fé.

Aqui no Brasil, poderia citar o fundador das Casas Bahia, poderia citar como exemplo o Silvio Santos. Pessoas que não tinham praticamente nada e hoje são grandes empresários. O filme brasileiro “Os Filhos de Francisco” (Zezé Di Camargo e Luciano) também apresenta a história de uma família que melhorou de vida, depois de muita luta, esperança, perservarança e trabalho duro. Estes exemplos inspiram as pessoas a acreditar, a perservarar, a lutar, a trabalhar duro, ter disciplina.

Agora, eu não sou ingênuo de dizer que todo mundo que trabalha duro consegue se tornar um milionário, um empresário ou uma dupla sertaneja de sucesso. Entre uma história de sucesso de uma dupla sertaneja, existem centenas de duplas que seguiram o mesmo caminho, mas não obtiveram o mesmo resultado.

Existem diversas famílias que lutam duro, perservaram, mas não alcançam toda esta riqueza ou sucesso. É notável que existe uma desigualdade social violenta no mundo, que enquanto uma minoria desfruta das riquezas, a maioria passa por dificuldades e uma boa parte vive na miséria.

Entrentanto, ainda que existam todos estes problemas no mundo, creio que o caminho ainda é perservarar, ter esperança, lutar, trabalhar duro, ter fé. E se por acaso, acontecer de chegar a ser um milionário, que possa usar esta riqueza para abençoar outras pessoas.

Infelizmente, na concepção do mercado, as pessoas acreditam que para UM ganhar, todos os outros têm que perder. Esta é uma realidade. Buscando um sistema alternativo, crendo que um novo mundo é possível, creio que o caminho é quando todos vencem e ganham. Não necessariamente o outro precisa perder quando eu ganho.  Jogamos no mesmo time, somos todos humanos.

Mas, por outro lado, eu também não sou ingênuo de crer que o socialismo ou o comunismo é o caminho. A história tem demonstrado que a natureza humana é má. Um sistema “igualitário” sem a transformação do caráter humano, da natureza humana, seria uma furada, como no passado já demonstrou não funcionar. Sabemos que, enquanto muitos trabalham, muitos outros não fazem nada. E num sistema igualitário, isto persistiria, muitos iriam trabalhar duro, enquanto outros não fariam nada, e assim, todos ganhariam a mesma coisa, com os mesmos direitos.

A transformação não pode ser de fora para dentro. O problema não está somente no sistema, mas quem criou o sistema e quem alimenta este sistema: o ser humano. A transformação começa de dentro para fora. O caráter humano / a natureza humana precisa ser transformada por Deus para que haja amor a Deus e amor ao próximo. Aí sim, conseguiríamos uma sociedade justa, com harmonia, com paz, onde todos ganhariam, não somente alguns.

Anúncios

O ser humano – A.S.

Quem sou eu? Quem é você ? Como podemos definir a humanidade ?

Fico surpreendido com a discrepância das ações humanas. É possível encontrar gestos de amor e ao mesmo tempo, gesto de ódio, violência, destruição. O individualismo é uma característica da sociedade contemporânea, mas o ser humano não sobrevive sem o outro.

A vida não faz sentido sem outras pessoas. Tanto é que, uma das maiores dores é a rejeição. Todos buscam o reconhecimento, a aceitação das outras pessoas. É claro que nesta busca, não é possível e nem natural ter a aceitação de todos. A mulher que gasta um tempão para encontrar uma roupa, para se arrumar, fazer a maquiagem, para ir em algum evento, ela está preocupada em ter a aceitação de outras mulheres e também de homens. Se não houvesse outras mulheres, outras pessoas, não faria sentido ela se preocupar se vai vestir a mesma roupa do evento passado.

Ser o primeiro da classe, o melhor jogador do time, são atitudes do ser humano que deseja reconhecimento. A criança que procura aprontar alguma “arte”, muitas vezes demonstra o sentimento de ter a atenção dos pais, o carinho dos pais.  O ser humano é carente da relação com o outro. Foge ao meu conhecimento o autor desta frase, mas ele estava certo quando afirmou “o ser humano não é uma ilha para viver isolado”.

Diversos males da nossa sociedade são frutos da falta de relacionamentos saudáveis e profundos. O lema “cada um por si” tem causado estresse, depressão, fobias e até mesmo, alguns cânceres. A ganância tem iludido a humanidade de uma felicidade superficial e passageira.

O cinismo assola o nosso mundo. Diferente da corrente filosófica “Cinismo”, que pregava o desapego as riquezas e bens naturais, hoje, o cinismo significa a falta de sensibilidade ao sofrimento do outro. Cinismo é a indiferença. Os programas de TV mostram diversos sofrimentos, os telespectadores acompanham, assistem, mas não tem atitudes. A humanidade tem se conformado, crendo que tudo isto é normal.

A violência, fome, miséria, desigualdade social, desmatamento, drogas, corrupção, pirataria, trabalho escravo, trabalho infantil, pedofilia, prostituição, tem se tornado “normal”. Diante de tantos males e cada um buscando o seu próprio prazer, sua própria sobrevivência, as pessoas sentem-se impotentes.

Falta ética até mesmo nos avanços científicos e tecnológicos. O que adianta chegar na lua, enquanto centenas de milhares ainda não tem energia elétrica, água encanada, moradia e alimentação? Na época do iluminismo, o culto a razão, acreditava-se que através da educação – racionalização – todos os problemas seriam resolvidos. Prepotência humana. Quanto mais se aproxima da Verdade, mais percebe-se o quanto conhecemos pouco.

Será que o caminho é a educação ? Embora eu acredite que a educação seja importante, ela não é o remédio para resolver de vez estes males. Diversas pessoas cultas, com seus títulos, são corruptas e indiferentes aos problemas do outro. Pessoas que foram criadas nos “melhores” lares e estudaram nas “melhores” escolas, cometem atos criminosos estupendos, como assassinato e roubo.

E toda educação tem uma ideologia por trás. E a nossa educação tem sido influenciada pela cultura do consumo. Aumenta o número de faculdades, tendo os alunos como “clientes”. Aumenta o número de alunos formados, mas poucas as pesquisam que visam melhorar o mundo em que vivemos.

Infelizmente, temos uma educação bancária, na qual o professor prepotente deposita o seu conhecimento em sala de aula, crendo que o aluno não tem nada a oferecer. Falta o estímulo a criatividade e curiosidade. Não há verdadeiro “conhecimento”  ou “construção do conhecimento” sem a curiosidade. Professores fingem ensinar e alunos fingem estudar.

Jovens não acreditam mais num ideal, na utopia, nas mudanças. Diminui o envolvimento dos jovens na política. Afinal, os poderosos continuam escravizando e passando a idéia que “não é possível fazer nada” – “nada pode mudar”. A humanidade aceita e entra no sistema do individualismo.

Pais se matam para trocar o modelo de celular dos seus filhos a cada 3 meses ou até menos. Vizinhos nem se conhecem mais. Taxamos todos os mendigos, todos os andarilhos, todos os moradores de ruas, todos os “favelados”, de pessoas preguiçosas, de mau caráter.

Será que existe cura? Nossa sociedade tem cura?

Creio e tenho esperança que sim. O caminho da cura não é fácil, mas é mais simples do que imaginamos. Reconhecer que precisamos do outro e que o relacionamento humano é essencial para o nosso desenvolvimento. Não somos máquinas, somos humanos. A nossa essência é a relação com o outro. Não faria sentido nem mesmo ter um “nome”, “sobrenome”, se o outro não existisse.

Conversando com algumas pessoas, elas compartilharam uma dura realidade, que em determinados momentos elas perceberam que estavam rodeadas de muitas pessoas, mas não tinham amigos. Os relacionamentos profundos não são incentivados hoje. Ter amigo não é tão fácil. Construir um relacionamento dá trabalho, leva tempo, exige renúncias. Mas no tempo da instantaneidade, onde tudo é muito rápido, as pessoas não querem esperar, não querem construir. Elas preferem tudo pronto e imediato, não importa se tem qualidade.

Quando um vendedor oferece uma “garantia extendida” de um produto que você acaba de comprar, você percebe que os produtos hoje são fabricados para durar pouco.

Eu sei que  os relacionamentos não são fáceis, mas para o desenvolvimento humano eles são essenciais. Hoje, algumas empresas mudaram e estão procurando pessoa que saibam se relacionar e trabalhar em equipe. Muitas pessoas não encaram um relacionamento profundo, como uma boa amizade ou até mesmo o casamento, por medo e por imaturidade. O desenvolvimento humano não é um caminho só de flores, tem suas dificuldades, muitas vezes tem suas dores.

A cura da sociedade contemporânea está num texto muito antigo e conhecido, mas pouco praticado: Amar a Deus sobre todas as coisas e amar o próximo como a si mesmo. (Deuteronômio 6.4-5  – Levíticos 19.18 – Mateus 22.37-39).

Quando as pessoas colocam Deus no centro das suas vidas e tem um verdadeiro relacionamento com Ele, elas passam a ter uma cosmovisão bem diferente da anunciada em nossos tempos. Elas começam a enxergar a vida de um outro prisma, com outros olhos. É como se outrora fossem cegos e agora, enxergam.

As pessoas que vivenciam um relacionamento com o Criador, elas enxergam as outras pessoas na ótica de Deus.  Quando eu desenvolvo uma amizade com Deus, eu deixo de buscar uma água que não sacia e começo a beber de uma água viva, que sacia a minha sede de forma integral.

Tratar o outro como eu gostaria de ser tratado é a grande regra de ouro. Imagina como muitas coisas mudariam se a maioria seguisse esta regra ? Se quero ser respeitado, eu respeito. Se eu quero reconhecimento, eu reconheço as virtudes do outro. Se eu quero perdão, eu ofereço o perdão. Se eu quero carinho, eu dou carinho. Se colocar no lugar do outro é uma atitude de pessoas maduras.

A humanidade foge do seu propósito, da sua missão. Ela evita o desenvolvimento verdadeiro. Encontramos diversas pessoas nos seus empregos, frustradas por não fazer o que foram vocacionadas, mas tem a estabilidade financeira e o status perante os outros, vizinhos, “amigos” e sociedade.  Pessoas que abandonaram seus sonhos, que vivem anestesiadas.

“A sociedade anestesiada” é um bom título de um livro.  O prazer imediato (hedonismo) e sem compromisso, o culto ao corpo, o alcoolismo, as drogas, consumismo, materialismo, prostituição, são anestesias de uma sociedade com dores. Estes remédios são passageiros, depois que passa o período de anestesia, as pessoas voltam nas suas dores: solidão, depressão, falta de sentido.

O caminho é o relacionamento com Deus e conseqüentemente o relacionamento com o próximo. Quando eu recebo esta nova cosmovisão, eu tenho esperança e creio nas mudanças, fazendo a minha parte, construindo um futuro melhor. Eu passo a entender que as pessoas são mais importantes que as coisas.

As obras poéticas – William Cowper

Suponhamos (no calor da fantasia,
O pensamento o que não suporia?)
Uma ilha com gente bem normal,
Mas que é cega, apesar de racional.
Que a suposição não nos desassista
E na praia coloque um oculista
Que asseste as lentes para detectar
Se os olhos deles podem enxergar.
Descobre que seus instrumentos não
Produzem luiz, se reina a escuridão.
Faz palestras, descreve, em voz convivta,
Algo inaudito à multidão aflita.
Fala de luz, de matizes prismáticos,
No estilo de eruditos catedrásticos.
Mas a resposta que consegue é: “Gente!
Que viajante esquisito, e como mente!”

William Cowper

Música: Pensando em você – Henrique Cerqueira

A versão original da música:

Um vídeo da Música:

A letra da Música:

Estava satisfeito só em ser teu amigo. Mas o que será, que aconteceu comigo?  Aonde foi que eu errei?

Às vezes me pergunto se eu não entendi errado, grande amizade com estar apaixonado. Se for só isso logo vai passar, Mas quando toca o telefone será você? O que eu estiver fazendo eu paro de fazer. E se fica muito tempo sem me ligar, arranjo uma desculpa pra te procurar. Que tolo mas eu não consigo evitar

Porque eu só vivo pensando em você, É sem querer, você não sai da minha cabeça mais. Eu só vivo acordado a sonhar, Imaginar nós dois, às vezes penso ser um sonho impossível, uma ilusão terrível será? Eu já pedi tanto em oração, que as portas do seu coração se abrissem para eu te conquistar, mas que seja feita a vontade de Deus, se Ele quiser então, não importa quando, onde, como eu vou ter o teu coração.

Faço tudo pra chamar sua atenção. De vez em quando eu meto os pés pelas mãos. Engulo a seco um ciúme, quando outro apaixonado quer tirar de mim sua atenção. Coração apaixonado é bobo, um sorriso teu eu me derreto todo, o seu charme, o seu olhar, sua fala mansa me faz delirar.

Mas quanta coisa aconteceu e foi dita, qualquer mínimo detalhe era pista, coisas que ficaram para trás, coisas que você nem lembra mais, mas eu guardo tudo aqui no meu peito; tanto tempo estudando seu jeito, tanto tempo esperando uma chance. Sonhei tanto com esse romance.  Que tolo mas eu não consigo evitar

Porque eu só vivo pensando em você, É sem querer, você não sai da minha cabeça mais. Eu só vivo acordado a sonhar, Imaginar nós dois, às vezes penso ser um sonho impossível, uma ilusão terrível será? Eu já pedi tanto em oração, que as portas do seu coração se abrissem para eu te conquistar, mas que seja feita a vontade de Deus, se Ele quiser então, não importa quando, onde, como eu vou ter o teu coração.

Reflexão da Música

Esta música retrata bem muitos romances que acontecem. É interessante como ela expressa os sentimentos de uma pessoa apaixonada. A pessoa apaixonada fica esperando uma ligação, tem ciúmes das pessoas. Vive arrumando alguma desculpa para se aproximar da pessoa amada.  Os sentimentos são tão fortes que as vezes ficam confusos, não sabendo se é uma ilusão.

No começo da música, fala sobre como uma amizade se torna colorida. Muitas vezes nós convivemos com amigos ao nosso lado e quando não percebemos, os sentimentos mudam e estamos gostando de um amigo (uma amiga). A paixão realmente nos pega de surpresa.

A pessoa não saí da cabeça, começamos a imaginar, sonhar, vivendo muitas vezes no mundo da lua. Na música, o apaixonado pede ajuda até para Deus, para ver se o Criador dá uma forcinha. A pessoa apaixonada se derrete diante de um sorriso, procura chamar a atenção que muitas vezes acaba exagerando.

O cheiro, o toque, a voz, o sorriso, o olhar, tudo é tão importante e faz um impacto violento no coração do(a) apaixonado(a).

Três pontos interessantes que gostaria de destacar nesta música.

A Paixão

A paixão é um sentimento passageiro, mas importante no começo de um relacionamento. Não é tão fácil definir sentimentos. Tem aqueles que consideram a paixão um mal e outros que consideram a paixão um bem.  Entendo paixão como aquele sentimento surpresa que nos desperta um interesse por uma pessoa. E este sentimento causa diversos efeitos em nossas vidas.

Considero este sentimento bom até certo ponto. As pessoas que desejam ter um relacionamento profundo, sério, compromissado e duradouro, sabem que não se pode basear apenas na paixão. Se entregar a paixão e ser guiado apenas pelos sentimentos, tranforma esta paixão em uma paixão doentia. É importante dosar o sentimento com a razão.

A Amizade

A amizade no relacionamento amoroso é essencial, é um sinal que existem afinidades, prazer de conviver com a outra pessoa. Quando não existe esta sintonia na relação amorosa, o casal acaba se desgastando, percebendo que vivem em mundos diferentes. A amizade é um sinal que há uma certa compatibilidade de visão de mundo, de personalidade, de afinidades, de gostos.

Existem casais que só se “dão bem” no relacionamento sexual. Isto é, no começo. Quando não há o prazer de conviver com a outra pessoa, a compatibilidade com o outro, nem mesmo o sexo preservará o relacionamento. Afinal, relacionamento amoroso vai muito além da relação sexual, embora o sexo tenha a sua importância.

A Vontade de Deus

A Vontade de Deus pode ser compreendida de diversas formas. Existem pessoas que acreditam que Deus tem uma única pessoa para nós, uma pessoa especial. Como se existisse uma certa predestinação. Não vejo problema em acreditar que existe alguém especial para nós, mas não acredito que existe uma única pessoa.

Eu afirmo isto, baseado na capacidade de escolha do ser humano. Acredito que Deus possa nos orientar e nos preparar para a escolha de uma pessoa ideal para nós. E além disto, creio que é imprescindível a ajuda de Deus no relacionamento amoroso, principalmente para que haja unidade e MATURIDADE.

Acredito também que Deus nos orienta a não entrarmos em relacionamentos que irão prejudicar os outros e nos prejudicar, mas principalmente, relacionamentos que prejudicam o nosso relacionamento com ELE. Afinal, o propósito de Deus expressado em Cristo é que haja a reconciliação da humanidade com ELE. E este propósito Ele não abre mão.

Se queremos cumprir a Vontade de Deus, devemos priorizar o nosso relacionamento com Ele através de Jesus Cristo. E aqui, eu não estou me referindo a religião.  Quem já teve uma experiência real com Jesus, sabe do que eu estou falando, da nova vida que Deus nos oferece. O livro mais lido e mais vendido do mundo, a Bíblia Sagrada, nos ensina que através de Jesus nós temos a reconciliação com o Pai, recebendo o perdão, justificação e redenção.

Outra versão da música  – Video:

Há certas horas….. William Shakespeare

Há certas horas, em que não precisamos de um Amor…
Não precisamos da paixão desmedida…
Não queremos beijo na boca…
E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama…

Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado…
Sem nada dizer…

Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir…

Alguém que ria de nossas piadas sem graça…
Que ache nossas tristezas as maiores do mundo…
Que nos teça elogios sem fim…
E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade
inquestionável…

Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado…
Alguém que nos possa dizer:

Acho que você está errado, mas estou do seu lado…

Ou alguém que apenas diga:

Sou seu amor! E estou Aqui!

William Shakespeare

Reflexão do Livro “Cinco Linguagens do Amor” – Gary Chapman

Este é um livro fabuloso que mudou a minha concepção sobre o amor e conseqüentemente sobre a relação amorosa. Dr. Gary Chapman é mestre em Antropologia pela Wake Forest University e em Educação Religiosa pelo Southwestern Baptist Theological Seminary, onde também se doutorou em Filosofia. O livro “Cinco linguagens do amor” é o seu livro de maior sucesso / Best Seller.

Ele lançou uma série baseada neste livro. Hoje tem :

Cinco Linguagens do amor para solteiros

Cinco Linguagens do amor das crianças

Cinco Linguagens do amor de Deus

Cinco Linguagens do amor dos adolescentes

Agora você está falando a minha linguagem.

A tese do Gary Chapman é que existem basicamente cinco idiomas do amor, cinco maneiras de expressar o amor. Cada pessoa tem um idioma principal (com excessões de algumas pessoas que são bilíngüe) e para se sentir amado, a outra pessoa deve amá-la no seu idioma. Exemplo: Roberto fala inglês e Juliana fala português; a Juliana terá que aprender inglês para comunicar com o Roberto, isto é o óbvio; ou então, Roberto terá que aprender o português para se comunicar com a Juliana. Contudo, no amor, o casal precisa aprender o idioma principal do outro.

O que acontece com o amor depois do casamento?

Este é uma pergunta que muitos fazem depois de se casarem. Por que será que o amor vai embora ou esfria depois do casamento ? Não deveria ter o efeito o contrário ? A resposta é que cada pessoa tem sua linguagem principal, esta linguagem a pessoa aprender desde pequeno, na sua família, no contexto em que vive. Ela pode até aprender novos idiomas, mas o seu idioma principal sempre será o mesmo.  Como a linguagem da pessoa amada normalmente é diferente da sua, por mais que você se esforce e o ame, ela não sentirá amada, porque você está amando na sua linguagem e não na dela.

“Psicólogos concluíram que sentir amado é a principal necessidade do ser humano” (Gary Chpman – pág. 19)

Dr. Ross Campbell usa uma ilustração interessante para falar do amor e da necessidade humana de sentir amado.  Dentro de cada pessoa, existe um “tanque emocional” esperando para ser cheio de amor. Quando este tanque está completo, a pessoa sente-se amada e se desenvolve, porém, quando o tanque está vazio, ela sente-se rejeitada, carente, sozinha e enfrenta diversos problemas emocionais, afetivos, entre outros.

Gary Chapman utiliza-se desta ilustração para desenvolver o assunto: relacionamento amoroso. Quando a pessoa é amada no seu idioma, na sua linguagem do amor, este “tanque emocional” vai se enchendo, até transbordar. Contudo, quando ela não é amada na sua linaguem, este tanque vai esvaziando.

“No âmago da existência do ser humana encontra-se o desejo de intimidade e de ser amado. O casamento foi idealizado para suprir essas necessidades.” ( Gary Chapman, pág. 21)

A Paixão

Antes de entrarmos nas cinco linguagens do amor, é importante discutirmos um pouco sobre “A paixão”. Todos nós nos apaixonamos um dia. É um sentimento de euforia. Normalmente as pessoas perdem até a concentração e o prazer de fazer outras coisas (como estudar, trabalhar, igreja, família), pois o seu foco agora é a sua paixão (a pessoa “amada”).

A psicóloga Dorothy Tennov que desenvolveu pesquisas nesta área, concorda com outros especialistas, apontando que a paixão normalmente tem a duração de 2 anos.  Nesta fase de paixão e de muito euforia, não conseguimos enxergar o mundo real, pensamos que tudo será perfeito. Mesmo que parentes e amigos procuram nos alertar por um futuro perigo na relação, nós não damos ouvido. Acreditamos que este sentimento durará para sempre.

Queremos aceitar ou não, a paixão vai embora. A paixão pode ser trabalhada e assim, surgir o amor. Mas paixão não é o amor verdadeiro. 1. Paixão não é um ato da vontade, ela é inconsciente. Esta experiência surge do nada em nossas vida. 2. Paixão não implica em nossa participação. Quando estamos apaixonados, não existe muita disciplina e esforço. Fazemos as coisas sem medir, sem pensar, sem raciocionar. 3. “A pessoa apaixonada não está genuinamente interessada em incentivar o crescimento pessoal daquele por quem nutre sua paixão”. (Gary Chapman – pág. 33).

Dr. Peck diz que paixão ” é um componente instintivo e geneticamente determinado do comportamento de acasalamento. Em outras palavras, um colapso temporário das reservas do ego que constituem o apaixonar-se; é uma reaçáo estereotipada do ser humano a uma configuração de tendências sexuais internas e estimuções sexuais externas, as quais designam-se ao crescimento da probabilidade da união e elo sexual, tendo em vista a perpetuação da espécie”.

Concordemos ou não com esta definição, é fato que a paixão é temporária. Isto não significa que não podemos desenvolver e viver o amor verdadeiro.  O amor une a razão com a emoção.  O amor requer decisão, escolha, disciplina, esforço.

A Primeira Linguagem do Amor: Palavras de Afirmação

As pessoas que tem a linguagem do amor: Palavras de afirmação, são aquelas que sentem-se amadas quando ouvem “palavras” de amor, respeito, encorajamento, elogios, declarações de amor.  Para esta pessoa é importante que a outra expressa verbalmente o seu amor, seus sentimentos.

Usando este idioma, a pessoa normalmente expressa “Eu te amo” – “Você é linda” – “Você está bem vestida” – “Parabéns pelo trabalho”. Isto não significa que vamos ser falsos ou manipuladores; expressando verbalmente falsos sentimentos só para agradar a outra pessoa. Não é nada disto.

Quando amamos a outra pessoa neste idioma “Palavras de Afirmação”, nós usamos de sinceridade, transparência, objetividade, para expressar com Palavras o que sentimos em relação a outra pessoa. É claro que todo ser humano gosta de receber elogios, declarações de amor, ser reconhecido por um bom trabalho. Mas a pessoa que tem este idioma “Palavras de Afirmação” como sua principal linguagem, ela sente-se mais amada que outras pessoas quando ouve “Palavras de Afirmação”. Para estas pessoas, este é um fator primordial para que o seu “tanque de amor” esteja cheio.

É por isto que, depois do casamento, em muitos casos, o casal diz que o amor foi embora. Isto acontece porque, antes do casamento, quando namoravam, eles viviam expressando seus sentimentos verbalmente: declarações de amor, cartões com palavras bonitas. E depois do casamento, com o passar do tempo, a paixão indo embora, o casal esquece que o amor é um caminho e que é preciso disciplina, esforço.

Quando eu entendo que a linguagem principal da minha esposa ou do meu esposo (ou namorado(a)) é “Palavras de Afirmação”, então, eu me esforço para que o “tanque do amor” esteja sempre cheio. Diariamente, de forma criatividade, sincera, verdadeiro, eu expresso verbalmente palavras de carinho, amor, apreço.

Para estas pessoas, que tem o idioma “Palavras de Afirmação”, o incentivo também é importantíssimo. Palavras que encorajam, palavras que inspiram, que incentivam, fazem grande diferença e ajuda a encher o tanque.

Um detalhe importante é que, para estas pessoas, as palavras tem um efeito muito maior. O efeito contrário também é verdadeiro. Se a pessoa amada usa de palavras ofensivas, destrutivas, o tanque esvazia rapidamente. “Você nunca me ajuda em nada” – “Você sempre comete este erro” – “Você é preguiçosa, lerda, burra”.

A segunda linguagem do amor: qualidade de tempo

A pessoa que tem o idioma principal “Qualdiade de Tempo” gosta de passar um tempo junto com a pessoa amada, com atenção total e exclusiva. É claro que todo relacionamento amoros é importante passar tempo junto, curtindo, com atenção total. Massssssss para estas pessoas com este idioma, este tempo tem um valor maior que pessoas com outros idiomas do amor.

A Qualidade de Tempo significa realizar atividades juntos, passar tempo junto conversando, curtindo um ao outro de forma exclusiva. Qualidade de Tempo não é realizar atividades com outras pessoas, com outros casais. É passar tempo junto.

No idioma “Qualidade do Tempo”, umas das características é a ATENÇÃO dada para a outra pessoa. Nesta situação, é importantíssimo aprender a OUVIR o outro. Passar tempo junto com o outro, o foco está na outra pessoa e não simplesmente na atividade.

Na Qualidade de Tempo é importante EXPRESSAR seus sentimentos. Quando a outra pessoa lhe perguntar o qeu acha, pensa ou sente sobre uma situação, você deve expressar seus pensamentos e sentimentos também.

É interessante reservar um tempo do dia para conversar sobre situações que aconteceram na vida do casal. Ambos compartilham experiências do dia a dia, expressando seus sentimentos, pensamentos, medos, receios. Com isto, o casal vai construindo intimidade e uma conversa de Qualidade de Tempo.

Qualidade de Tempo significa também realizar atividades que gostam. É claro que, cada um participará de atividades que o outro gosta e vice-versa.

A Terceiro Linguagem do Amor: Receber Presentes

“Presentes são símbolos visuais do amor, sejam eles comprados, feitos por você, ou simplesmente sua presença disponível para seu cônjuge.” (Gary Chapman pág. 196)

Em todas as culturas, os presentes é uma forma de expressar Amor, Consideração, Respeito, Honra para uma pessoa.  Quando recebemos um presente, podemos segurá-lo e dizer  “Ele pensou em mim ” ou “Ela se lembrou de mim”.

Quando vamos comprar ou fazer um presente para alguém, nós pensamos no que este presente irá simbolizar.  E isto não importa se foi caro ou barato.  A pessoa que tem o idioma principal “Receber Presentes” sente-se amada quando recebe presentes. Contudo, isto não significa que esta pessoa quer receber somente presentes caros. A questão aqui não é o valor, mas o simbolo, a intenção, motivação, a critividade. É claro que se um milionário dar presentes de apenas 1 real para sua esposa, ela vai perceber que há uma discrepância enorme.

“Se a primeira linguagem do amor de seu cônjuge for “Receber Presentes”, você pode ser tornar expert nessa área. De fato, essa é uma das mais simples linguagens para se aprender.” (Gary Chapman pág. 77).

Para amar a pessoa que tem a linguagem de amor “Receber Presentes” é interessante fazer uma lista de todos os presentes que na sua concepção, a pessoa amada gostaria de receber.  Não é necessário esperar momentos especiais (aniversário, dias do namorado). Todo tempo é tempo de presentear.

Existe também o presente da Presença do Amado. Tem momentos na vida da pessoa amada, que é imprescindível a presença do cônjuge. Seja no momento de luto, no momento do parto, no momento de conquistas, vitórias; nos momentos de frustrações.

A Quarta Linguagem do Amor: Formas de Servir

A pessoa que tem o idioma principal “Formas de Servir” sente-se amada quando o outro faz algo para ela. É quando a outra pessoa procura agradar realizando coisas que ela aprecia. Dentro desta linguagens, existem diversas formas de expressar o amor: “preparando uma boa refeição, ajudando a cuidar das crianças, pôr a mesa bem arrumada, lavar a louça, passar aspirador, limpar o pente, tirar os cabelos da pia, levar o lixo para fora” (Gary Chapman – pág. 89-90).

A pessoa com a linguagem do amor “Formas de servir” sente-se amada quando o outro a serve, ajuda, faz algo para ela. É preciso identificar coisas que ela gosta que a pessoa amada faz, que lhe agrada, que ela sente-se amada. Esta linguagem está ligada normalmente ao “serviço”, coisas do dia-a-dia que devem ser feitas pelo casal. Como por exemplo:dividir as tarefas domésticas.

“Devido às mudanças sociológicas dos últimos trinta anos, não há mais um estereótipo do papel do esposo e nem da esposa, na sociedade moderna” (Gary Chapman – pág. 101).

Muitas pessoas ainda tem o estereótipo antigo do papel da esposa e do esposo. A visão antiga é que a mulher é responsável por todas as tarefas domésticas e que o homem é responsável por trazer alimento e sustento para a casa. Nesta visão antiga, a mulher não trabalha e fica responsável pela casa e pela educação dos filhos.

Entrentato, as coisas mudaram. Hoje, é preciso rever os papéis. Muitos casais enfrentam problemas no casamento por causa disto. Eles não conseguem dividir as tarefas e acaba sobrecarregando o outro. Hoje, as mulheres estudam, trabalham, são independentes. Diante desta nova realidade, o homem precisa aprender a lidar com isto, e a mulher também. Ambos precisam entram num acordo com as tarefas domésticas, responsabilidades do casal.

Pode parecer bobagem, mas estas tarefas simples afetam drasticamente o casamento. Muitas mulheres trabalham, cuidam da casa e dos filhos, ficam sobrecarregadas. E muitos homens querem apenas chegar em casa, comer, assistir futebol e a noite ter relação sexual. E a mulher, está toda cansada, irritada e sem clima nenhuma para relação sexual.

É preciso refletir a situação do casal, se ambos trabalham e como podem dividir as tarefas, para não sobrecarregar ninguém. Tem tarefas domésticas que um não gosta de fazer e o outro gosta, é preciso realmente de um acordo.

Para as pessoas com a linguagem principal “formas de servir” esta atitude de servir o outro é importantíssima, só assim ela sente amada pela outra pessoa.  Existem casos de casais que tem a mesma linguagem do amor (a principal) e mesmo assim, enfrentam problemas, porque falam diáletos diferentes. Por isto, é importante conhecer a outra pessoa e saber como ela sente-se amada, quais são as formas de servir que lhe agrada, e vice-versa.

A Quinta Linguagem do Amor: Toque Físico

“Os bebês que são tomados nos braços, beijados e abraçados desenvolvem uma vida emocional mais saudável do que os que são deixados durante um longo período de tempo sem cntato físico. ” (Gary Chapman – pág. 106).

A pessoa que tem a linguagem do amor “Toque Físico” como idioma principal, se sente amada através do toque físico: andar de mãos dadas, abraçar, beijar, toque no ombro, relações sexuais. Esta linguagem do amor não implica em apenas ter relação sexual. O toque físico, não somente a relação sexual, é importante para a pessoa deste idioma.

O sexo é apenas um dialeto da linguagem “toque físico”.  O toque físico pode comunicar amor ou ódio. Ele comunica e expressa amor pela outra pessoa.  Ele pode ser responsável pelo início ou pelo término de um relacionamento.

O corpo humano tem diversas partes que são sensíveis ao toque, são como pequenos receptores táteis. É preciso conhecer os lugares que a pessoa amada gosta de ser tocada e os lugares e formas que ela não gosta de ser tocada. Afinal, para a pessoa que tem este idioma, o toque físico é o fator mais importante e um instrumento de comunicação do amor. Ele pode expressar amor ou ódio.

“Em cada sociedade há formas adequadas e inadequadas de se tocar as pessoas do sexo oposto. A recente atenção voltada para os assédios sexuais tem evidenciado as formas inapropriadas. No casamento, entretanto, tudo isso é determinado pelo casal, dentro de algumas amplas diretrizes. Abuso físico é, naturalmente, condenado pela soeicdade e existem organizações sociais cujo objetivo é ajudar tanto esposas quanto esposos vítimas dos excessos. Nossos corpos foram feitos para toques, mas não para abusos.” (Gary Chapman – pág. 111)

Existem pessoas que foram criadas num contexto de pouco Toque Físico, expressar de amor através do toque físico, do carinho. E quando estas pessoas se relacionam com outras, principalmente com pessoas que o “toque físico” é o idioma principal, elas enfrentam dificuldades, porque para elas o “toque físico” não é tão importante. Mas, como o amor é uma decisão, é preciso aprender a amar a pessoa no IDIOMA DELA.

Pensamento de Augusto Cury

A maior aventura de um ser humano é viajar,
E a maior viagem que alguém pode empreender
É para dentro de si mesmo.
E o modo mais emocionante de realizá-la é ler um livro,
Pois um livro revela que a vida é o maior de todos os livros,
Mas é pouco útil para quem não souber ler nas entrelinhas
E descobrir o que as palavras não disseram…

Augustu Cury


Vigie seus pensamentos

Vigie seus pensamentos, porque eles se tornarão suas palavras

Vigia suas palavras, porque elas se tornarão seus atos

Vigie seus atos, porque eles se tornarão seus hábitos

Vigie seus hábitos, porque eles se tornarão seu caráter

Vigie seu caráter, porque ele se tornará o seu destino

Autor Deconhecido (Alguns afirmam que este pensamento é de Mahatma Gandhi)

———————————–

Seja a mudança que você quer ver no mundo

(Esta frase eu tenho certeza que é de Mahatma Gandi)

Reflexão sobre o filme “Como se fosse a primeira vez”

seta3.gif (99 bytes) Ficha Técnica


Título Original: 50 First Dates
Gênero: Comédia Romântica
Tempo de Duração: 106 minutos
Ano de Lançamento (EUA):
2004
Site Oficial: www.sonypictures.com/movies/50firstdates
Estúdio: Columbia Pictures Corporation / Anonymous Content / Flower Films / Happy Madison Productions
Distribuição: Columbia Pictures / Sony Pictures Entertainment
Direção: Peter Segal
Roteiro: George Wing
Produção: Jack Giarraputo, Steve Golin, Nancy Juvonen, Larry Kennar e Adam Sandler
Música: Teddy Castellucci
Fotografia: Jack N. Green
Desenho de Produção: Alan Au
Direção de Arte: John Hockridge e Domenic Silvestri
Figurino: Ellen Lutter
Edição: Jeff Gourson
Efeitos Especiais: Industrial Light & Magic / Sony Pictures Imageworks

Resumo

O filme conta a história de um veterinário chamado Henry Roth  ( Interpretado por Adam Sandle) que é considerado o “pegador”. Ele não pode nem ouvir falar de casamento ou de compromisso sério. Ele apenas quer curtir a vida e vive pegando as turistas do Havaí.

Num certo dia, ele se encanta por uma jovem Lucy Whitmore (Drew Barrymore. Ele procura conquistá-la, acreditando que vai ser mais uma das suas conquistas. Desta vez a situação é diferente. O jovem veterinário acaba se interessando pela professora Luc, mas ela tem um problema de FALTA DE MEMÓRIA.

A história antes do veterinário Henry conhece-la é a seguinte: Ela sofreu um acidente de carro juntamente com o pai dela e a partir deste momento, ela só se lembra das coisas que aconteceram até um pouco antes do acidente. Então, todos os dias, ela vive o mesmo dia, esquecendo das coisas novas.

Diante deste problema, Lucy não se lembra de Henry e o jovem veterinário é obrigado a conquistá-la todos os dias. Todos os dias ele inventa uma forma de conquistar a mulher da sua vida.

Henry cria uma forma bem criativa de fazer com que Lucy acompanhe as novidades, os acontecimentos e sempre permanece ao seu lado, conquistando diariamente.

Reflexão

O filme retrata exatamente dos desafios de um relacionamento amoroso. Ainda que a jovem tenha problema de memória e na grande maioria dos relacionamentos, este problema não existe, todo relacionamento precisa ser alimentado diariamente. É interessante ressaltar algumas ATITUDES que o Henry teve que ter para manter o relacionamento com a Lucy.

A Decisão de Amar

Quando somos adolescentes, vivemos alguns amores platônicos. Imaginamos que alguém vai cair do céu e bem exatamente no nosso quintal. E além disto, imaginamos que esta pessoa vai ser perfeita: aparência física que nos atraia, inteligente no último, que goste de todas as coisas que gostamos, que pensa igualzinho como pensamos e que nos ame intensamente.

Não vejo nada de errado em crer que existe alguém especial e que possamos viver a vida toda ao lado desta pessoa. O problema é criar uma expectativa além do que a outra pessoa possa ser ou possa fazer. O sentimento inicial é maravilhoso, alguns o chamam de paixão. O seu coração dispara, você vive uma euforia e adrenalina ao mesmo tempo. Sente saudades. Tem ciúmes. Sonha com a pessoa.

Contudo, quem já teve um relacionamento sério (longo), sabe que a pessoa amada tem defeitos e aquele sentimento inicial ou vai embora, ou então amadurece. Esta é a grande questão do relacionamento amoroso.

O segredo do relacionamento amoroso é que, o amor não é somente sentimento, mas ele também é Caminho, é uma Decisão a ser tomada, um compromisso a ser feito. É a decisão de amar a outra pessoa. E este amar é um caminho a ser trilhado, formado por atitudes bem concretas: cuidar, ouvir, compreender, respeitar, ajudar, caminhar junto, chorar juntos, sorrir juntos, crescer juntos.

É interessante no filme que Henry TOMA A DECISÃO de Diariamente conquistá-la. Ele tinha outras opções, outros caminhos. Ele poderia muito bem ter partido para outro relacionamento, um relacionamento mais fácil. Entretanto, ele toma a decisão, porque quem ama segue o Caminho do Amor: compromisso de amar a pessoa.

Esta decisão deve ser feita por ambos (homem e mulher).

As linguagens do Amor

Eu pretendo comentar aqui no Blog o livro chamado “Cinco Linguagens do Amor”. O autor Dr. Gary Chapman apresenta a seguinte tese: Cada pessoa tem um idioma principal do amor e para amar e sentir amado, a pessoa precisa descobrir o seu idioma e descobrir o idioma do seu amado / da sua amada. A pessoa deve amar a outra no idioma da outra pessoa e ser amado no seu idioma. Então, o casal tem o compromisso de amar a pessoa de forma que ela sinta-se amada. É muito interessante esta tese.

No filme, Henry se preocupa em fazer a outra pessoa feliz. Ele tem o compromisso de conquistá-la. O jovem veterinário se torna especialista dos desejos, dos gostos da sua amada.

Compromisso

Hoje, com o lema “cada um por si, Deus por todos”, qualquer problema no relacionamento é motivo de terminar, de se separar. Infelizmente, o individualismo, materialismo, competitividade, ganância, têm feito com que muitas pessoas não vivam um relacionamento sério, profundo, duradouro e saudável.

Você encontra pessoas com uma idade razoável, mas sem maturidade, sem crescimento pessoal.  E um dos motivos é a falta de compromisso com a outra pessoa. Se manter fiel.  Superar os problemas. Ter o compromisso de alimentar a fogueira do amor diariamente.

Amor é Atitude também.

Criatividade

Na grande parte, no começo dos relacionamentos, o clima de romantismo é intenso. As declarações de amor são constantes, presentes, flores, chocolates, cartões, passeios, cinema. Com o passar o tempo, em muitos relacionamentos, a relação fica tão monótoma, sem graça, sem desafios, sem aventura, sem graça.

Henry foi muito criativo para manter o relacionamento com a Lucy. A criativamente é importante. No livro “Homens são ostras e mulheres pés-de-cabra”, o autor afirma que é possível manter a chama da paixão acesa, ter sentimentos e ao mesmo tempo, ter atitudes, compromisso, respeito. O amor não é só sentimentos bons, é compromisso, decisão, atitudes, um caminho a ser seguido. Porém, com criatividade é possível manter os sentimentos, manter aceso o fogo do amor / paixão (Paixão no sentido de sentimentos de atração, de saudades, de alegria, típicos do início do relacionamento).

Crescimento

No relacionamento amoroso, percebemos que muitas pessoas estão preocupadas apenas consigo mesmas. Elas visam o seu próprio crescimento, benefício. Num relacionamento saudável, cada pessoa se preocupa com o crescimento da outra pessoa e asism, ambos crescem juntos. É um caminho de crescimento, de alcançar a maturidade. Suportar os defeitos do outro, estar disposto a crescer, a tolerar, a respeitar o diferente.

Amizade

Alguns dizem que os opostos se atraem. Contudo, no relacionamento amoroso, as pessoas que tem mais afinidades, gostam de certas coisas em comum, sonhos em comum, mentalidade, visão de mundo, é que tem uma probabilidade bem maior de darem certo. Os opostos podem até se atrair, mas não significa que é um fator para MANTER um relacionamento sério, profundo, duradouro.

É primoridal que você sinta-se bem ao lado da pessoa, tenha prazer de fazer atividades juntos. A pessoa amada torna-se sua melhor amiga / o seu melhor amigo. É claro que, você ter amizade com a pessoa amada, jamais isenta você de ter outros amigos. Ter outros amigos é essencial para a vida.

Agora, não adianta se relacionar com uma pessoa que você não se dá bem, pensam totalmente diferentes, estilos de vida diferentes, visão de mundo diferente. Não fazem atividades juntos. Não adianta serem bons apenas na cama e serem incompatíveis nas outras atividades.

Amar – C.S. Lewis

Amar é sempre ser vulnerável. Ame qualquer coisa e certamente seu coração vai doer e talvez se partir. Se quiser ter a certeza de mantê-lo intacto , você não deve entregá-lo á ninguém , nem mesmo a um animal. Envolva o cuidadosamente em seus hobbies e pequenos luxos, evite qualquer envolvimento, guarde o na segurança do esquife de seu egoísmo. Mas nesse esquife – seguro , sem movimento , sem ar – ele vai mudar. Ele não vai se partir – vai tornar se indestrutível, impenetrável , irredimível. A alternativa a uma tragédia ou pelo menos ao risco de uma tragédia é a condenação. O único lugar além do céu onde se pode estar perfeitamente a salvo de todos os riscos e pertubações do amor é o inferno.

C.S. Lewis – “Os quatro amores”

« Older entries